Skip to content

Como organizar suas metas para 2019 e não abandoná-las antes do Carnaval

Post it amarelo com lâmpada de ideia
Foto por AbsolutVision no Unsplash

Fórmulas mágicas para resolver nossos problemas é o que mais tentam nos vender por aí. Principalmente quando esses problemas têm relação com formas de lidar com o caos que é viver no Século XXI. Muita informação, muita coisa pra fazer, muita oportunidade e muita distração. Tudo é muito muito.

Durante os últimos anos, estudei e experimentei diversos sistemas e metodologias de organização pessoal. Aprendi muito, falhei bastante e adaptei as técnicas para minha realidade.

Em 2019, decidi usar esses sistemas como um suporte para a realização das minhas metas de desenvolvimento pessoal. O foco não é organizar todos os aspectos da vida prática (apesar de eu usar alguns desses sistemas para tal), e sim garantir que as metas, criadas no último mês, não sejam abandonadas antes do Carnaval.

Sendo assim, vou compartilhar os sistemas que usarei e qual o racional por trás de cada etapa, para que você possa adaptar para sua realidade.

Mas primeiro… por quê metas são abandonadas?

Não existe uma única pessoa, na face da Terra, em toda a história da humanidade, que nunca tenha abandonado uma meta. E tudo bem.

O processo de criar uma meta é relativamente fácil: basta preencher um papel ou uma nota no computador. Depois das metas criadas e estabelecidas, destaco 3 fatos que nos fazem abandoná-las:

  • Metas impossíveis de realizar

Talvez, na hora de escrever suas metas, você tenha sido uma pessoa bem audaciosa, querendo um corpo perfeito em seis meses, ou cortando todas as frituras e gorduras de uma vez só. Toda virada de ano nos deixa bem emocionados mesmo, aí perdemos um pouco a noção da realidade.

Criar metas factíveis é essencial para não deixá-las apenas na ideia. Mas também não pode ser algo muito fácil. Procure o meio termo entre o impossível e o fácil.

  • Metas demais

Outra treta é criar mais metas do que as que você consegue dar conta. Não existe um número ideal de metas anuais, mas é importante tomar cuidado para não criar muitas metas pequenas que na verdade seriam objetivos. Pense naquelas metas que, se atingidas, vão beneficiar diversas partes da sua vida. Quando eu mostrar as minhas, esse ponto fará mais sentido.

  • Não há um sistema de acompanhamento dos resultados

Esse fato é o principal. Mesmo que você crie metas factíveis com sua realidade e tenha desenhado um número razoável de metas, a chance delas ficarem abandonadas é grande se não houver um sistema de acompanhamento do progresso. Mais abaixo também mostrarei como faço acompanhamentos semanais e mensais das minhas metas.

Ferramentas são importantes, hábitos são essenciais

É comum sempre me perguntarem quais ferramentas eu uso para criar minhas metas e gerenciar o progresso delas. Antes de responder das ferramentas, tento entender o quanto a pessoa já está imbuída de bons hábitos de produtividade.

Costumamos cair no erro de achar que são as ferramentas que vão nos ajudar a realizar nossos sonhos. Sim, as ferramentas nos ajudam a tirar as ideias do papel, mas não dependemos delas. Um dos textos que mais me abriu a mente sobre a importância de valorizarmos hábitos e sistemas ao invés de ferramentas foi escrito pelo Thomas Oppong:

Until You Have Better Work Habits, Productivity Apps Will Work Against You, Not For You
“Being busy does not always mean real work. The object of all work is production or accomplishment and to either of…medium.com

O estrategista e escritor Ryan Holiday também fez um excelente artigo sobre o desenvolvimento de bons hábitos e como eles são essenciais para realizarmos nossas metas. Recomendo fortemente a leitura:

How to Develop Better Habits in 2019
Forget resolutions — these simple, proven methods can make lasting changes in your lifemedium.com

Como organizei minhas metas para 2019?

Antes de mais nada, me forcei a escolher apenas cinco metas de desenvolvimento pessoal para 2019. Não significa que tudo que eu farei este ano terá relação apenas com essas metas. Meu objetivo é chegar ao final de 2019 e constatar a evolução dessas cinco metas e o quanto essa evolução reverberou em diversos outros aspectos da minha vida. As metas são:

ORGANIZAÇÃO

Meta 1 (M1) — Ter um sistema de controle financeiro sustentável

CONHECIMENTO

Meta 2 (M2) — Aprimorar meu saber sobre teoria musical e compor minha primeira música sem ajuda externa

Meta 3 (M3) — Tornar-se fluente na língua inglesa

Meta 4 (M4) — Pavimentar o caminho para compreender a ciência dos dados.

SAÚDE

M5 — Construir hábitos de saúde saudáveis (exercício físico, alimentação e terapia)

Importante: todas as metas foram escritas começando com verbos no infinitivo, para me forçar a agir. E elas foram separadas em três grandes dimensões da minha vida:

  • Ser mais organizado financeiramente (meta 1)
  • Ser mais focado nos estudos (metas 2, 3 e 4)
  • Ser mais saudável (meta 5)

Eu escolhi essas três dimensões por julgar serem as mais críticas para o meu desenvolvimento. Cada uma dessas metas, quando cumpridas, irá contribuir para a evolução de diversas outras partes da minha vida. Faça uma reflexão e pense em quais são as dimensões que fazem sentido para você.

Como vou dar os primeiros passos para fazer as metas acontecerem?

A partir daqui, vou mostrar duas formas nas quais farei para desdobrar minhas metas em objetivos menores e também como irei acompanhar o progresso desses objetivos, de forma semanal e mensal.

O sistema que usarei para dividir as metas em objetivos trimestrais se chama OKRs (Objectives and key results [objetivos e resultados-chave]). Sistema criado pelo engenheiro Andy Grove, que foi um dos presidentes da Intel. Abaixo, uma palestra do investidor John Doerr, que explica melhor o sistema:

Em resumo: OKRs nos ajudam a transformar grandes metas em objetivos menores, e cada objetivo possui resultados-chave atrelados a ele, que nos ajudam a entender, depois de um período de tempo, se os objetivos foram cumpridos ou não.De forma prática, os objetivos são mais aspiracionais, subjetivos. Os resultados-chave são mais práticos, numéricos, mensuráveis. Assim, depois de um período (que, no caso, usarei de 3 em 3 meses), averiguarei se os objetivos foram cumpridos ou não, ao analisar se os resultados-chave foram alcançados.

Assim, farei 4 ciclos de OKRs no ano de 2019, com três meses cada, tendo objetivos e resultados-chave diferentes em cada ciclo, mas com todos os objetivos relacionados às metas que criei. Com esses ciclos menores, fica mais fácil garantir o controle dos resultados e me manter motivado. Consigo sentir que estou mais perto de alcançar minhas metas, um passo de cada vez. A escritora Royale Scuderi explicou bem, no texto abaixo, a importância de dar passos menores e constantes:

The Number One Secret to Life Success: Baby Steps
Jennifer R. Farmer An author and public relations expert specializes in helping socially-conscious entrepreneurs…www.lifehack.org

Meu primeiro ciclo de OKRs acontecerá entre os dias 07/01 e 09/03. Nesse período, buscarei realizar três objetivos:

Objetivo 1 — Fazer exercícios físicos, tendo uma alimentação mais saudável (M5)

Resultado-chave 1 — Ir ao tênis de mesa 2x por semana

Resultado-chave 2 — Fazer algum outro exercício físico pelo menos 1x por semana

Resultado-chave 3 — Ficar 3 meses sem tomar refrigerante

Resultado-chave 4 —Comer frituras e gorduras pesadas apenas aos finais de semana, se quiser

Resultado-chave 5 — Cozinhar aos domingos uma parte da comida da semana

Objetivo 2 — Gastar menos do que se ganha (M1)

Resultado-chave 1 — Criar e manter um sistema simples de controle de gastos e receitas mensais

Resultado-chave 2 — Arrecadar mais do que gastar nos meses de Fevereiro e Março

Objetivo 3 — Aprimorar conhecimentos fundamentais (M2, M3 e M4)

Resultado-chave 1 — Fazer aulas de inglês, no mínimo, 1x por semana

Resultado-chave 2 — Finalizar curso de estatística e terminar primeiro livro sobre estatística

Resultado-chave 3 — Escrever um texto em inglês, no mínimo, 1x por semana

Resultado-chave 4 — Estudar, no mínimo 15 minutos por dia, de teoria musical

Metas criadas e objetivos definidos. E agora?

Como disse algumas linhas acima, é comum dedicarmos bastante tempo em escrever metas e pouco tempo em criar e manter sistemas que nos incentivem a continuar realizando o que precisamos realizar. Aqui, citarei os 3 sistemas que utilizarei para me manter engajado e consciente do que precisa ser feito:

  • Diário

Isso mesmo, o bom e velho diário. Para muitos de nós, a primeira ferramenta que utilizamos com o objetivo de registrar nossas memórias e traduzir sentimentos em palavras.

Já mantenho um diário há algum tempo e, na prática, senti alguns efeitos positivos de manter esse compromisso diário como o aumento da disciplina e do autoconhecimento.

Minha recomendação: use o diário apenas para registrar o seu dia, nos primeiros momentos. Sem julgamentos sobre ter conseguido ou não beber refrigerante, apenas descreva o seu dia. Ao final do texto, escreva o que você planeja fazer no dia posterior. Com o tempo, essa prática vai te ajudando a entender seus padrões de comportamento, ficando mais fácil de mudar o que você acha que precisa mudar.

Recomendo esse ótimo texto do escritor Darius Foroux, sobre o assunto:

Why A Daily Writing Habit Improves Your Life
One of the most important habits that I’ve formed in my life is daily writing.medium.com
  • Revisões semanais

Um sistema de revisão semanal do andamento das minhas metas garante que eu tenha clareza de tudo que ocorreu na semana anterior e esteja preparado para a próxima semana. É um momento de comprometimento comigo mesmo e de aprendizado, principalmente.

Neste caso, não utilizarei nenhuma estrutura específica. Apenas pararei em algum dia da semana (escolhi domingo), refletirei sobre minha semana (baseado no meu diário e no meu calendário), extrairei e registrarei os principais aprendizados e adaptarei, se necessário, o que farei na minha próxima semana.

Com esse compromisso semanal, você garante que o processo de fazer as metas acontecerem está gerando aprendizados, que eles estão sendo registrados e estão ajudando na sua evolução.

No meu calendário pessoal, já separo 2 horas do meu domingo para realizar essas revisões semanais. Pode demorar bem menos tempo que isso, e com a prática vou ajustando o horário ideal, mas é importante que a revisão semanal seja um momento sagrado.

Se você mora em uma casa agitada ou convive com alguém frequentemente, deixe claro que esse momento é super importante. Se sua casa é um caos, procure um local próximo onde você possa fazer essa reflexão semanal com sossego.

Não conseguiu fazer no dia que era combinado? Não tem problema. Tente fazer no dia posterior. O importante é não deixar passar muito tempo entre uma revisão e outra, senão prejudica o aprendizado.

O conceito de revisão semanal foi popularizado pelo escritor David Allen, inventor do sistema Getting Things Done (GTD). O escritor Sam Spurlin fez um breve artigo sobre o assunto, recomendo:

The Weekly Review and Self-Management of Attention
I don’t remember who said this (maybe a Peter Drucker quote that I first heard via Merlin Mann?) but it has always…medium.com
  • Retrospectivas mensais

Uma vez por mês, vou fazer uma grande revisão, a qual chamo de retrospectiva mensal.

O objetivo é parar por algumas horas e responder três perguntas:

  • No que evoluí ou o que aprendi de positivo no último mês?

Após um mês botando em prática as ações que precisam ser feitas para alcançar minhas metas, provavelmente um turbilhão de coisas deu errado, várias outras deram certo e diversos aprendizados foram acumulados. Na retrospectiva mensal, eu vou parar para registrar esses aprendizados e evoluções, para que eles não se percam na correria do dia-a-dia.

Vou refletir em cima das anotações que farei nas revisões semanais e no meu diário, principais suportes dessa minha jornada. É nessa hora que os sistemas começam a se entrelaçar, mostrando a importância de não abandonar nenhum deles. Por exemplo, se eu neglienciar a escrita do diário ou as revisões semanais, provavelmente a retrospectiva mensal ficará pobre.

  • Em quais pontos percebi que posso melhorar?

Após identificar o que aprendi de positivo e evoluí, eu também vou buscar saber o que não fiz tão bem e que posso melhorar no próximo mês. Aqui, é o momento de botar em prática o compromisso pessoal de evoluir não apenas no que deu certo, mas revisar o que deu errado e que, possivelmente, poderia me frustrar. Responder essa pergunta me ajuda a transformar frustração em ação de mudança.

  • A partir do que evoluí e aprendi, preciso modificar algum objetivo ou resultado-chave?

Este momento é bastante importante. Não quero tratar minhas metas e objetivos como algo escrito em pedra, imutável. Porém, ao mesmo tempo, não quero modificá-las em qualquer momento, por qualquer motivo, na hora que aparecer uma leve barreira ou frustração no caminho. Por isso, eu irei reunir os aprendizados do mês e, a partir dessas informações, me questionar se posso deixar um objetivo mais desafiador ou mais simples, ou se posso retirar algum resultado-chave que não faça sentido.

O importante, aqui, é que a decisão de modificar alguma meta, objetivo e/ou resultado-chave seja balizada em evidências, nas experiências adquiridas no mês anterior, registradas em diário e nas revisões semanais. Senão é apenas uma modificação impensada, com grandes chances de ser uma auto-tentativa da minha cabeça de burlar minhas metas e procrastinar.

Destaco aqui um exemplo de revisão mensal realizado pela Belle Beth Cooper, um pouco mais complexo o meu, e que mostra uma nova perspectiva sobre o uso desse sistema:

My monthly review
medium.com

A retrospectiva que irei utilizar é uma adaptação de um sistema já bastante utilizado por desenvolvedores e gestores de TI. Esses profissionais realizam retrospectivas para gerar melhorias contínuas no seu processo de trabalho, garantindo que as entregas sejam sempre rápidas e de alta qualidade. Veja alguns exemplos disponibilizados pela empresa Atlassian:

How to Run an Agile Retrospective Meeting with Examples
Instructions and variations on the classic team retrospective. Popular with agile developers, but not just for software…www.atlassian.com

E suas metas para 2019? Como serão feitas e acompanhadas?

Acima, descrevi a forma como defini minhas metas para 2019, como as transformei em objetivos menores e como irei acompanhar o progresso das metas.

Mais do que isso: escrevi tudo isso desejando que você se inspire em algumas partes (ou com o texto todo), usando a próxima semana para escrever suas metas e se utilizando de alguns dos sistemas que estou utilizando para fazer as metas acontecerem.

Use a parte de comentários aqui do blog para tirar dúvidas ou me contar o que pretende realizar esse ano e como garantirá que as metas saiam da ideia e aconteçam.

Conte comigo e que seu 2019 seja lembrado como o ano em que as suas principais metas foram realizadas!

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *